sábado, outubro 14, 2006

SINOPSE
Há lugares que quase não existem.

Casais de Folgosinho nem sequer é um lugar.
Não há luz eléctrica, não corre água canalizada, não há estradas. Perde-se no silêncio de um vale entre as montanhas da Serra da Estrela.
Em tempos foi um autêntico santuário de pastores...Com dezenas de famílias e milhares de cabeças de gado. Hoje, os mais velhos vão morrendo e os novos fogem da dura sina de ser pastor.
365 dias por ano.

Herminio, 27 anos, contraria o fim.
Dizem que é o pastor mais novo, mas também o mais doido.
Sozinho, rádio na mão, rasga montanhas ao som das cassetes do popular cantor Quim Barreiros, que um dia sonha conhecer.
Os sons das cassetes e do rádio puxam-no para longe de uma vida de solidão. São a união entre dois mundos diferentes.
Distantes e próximos.

Na sociedade moderna o futuro de Hermínio é inquietante.
Até quando o jovem Hermínio será pastor?
Mas...ainda há pastores?
As estórias de Casais de Folgosinho guardam a resposta.

6 Comments:

Anonymous alguem atento said...

Folgosinhos é muito bonito e há lá recantos encostas de montanhas da serra que são um autentico paraíso Felizmente não conhecidos por muita gente de forma a que ainda por tal facto estão bem conservados. Pastores há muitos e não conheci muitos assim tão infelizes como o que comentaram, vivem calmamente na simplicidade da vida mas com uma grande riqueza que nós citadinos jamais a conhecemos... vivem em pleno a natureza, e raro são aqueles que não gozam plena felicidade, talvez um pouco diferente da nossa é certo mas em todo o canto há alegria, paz e uma grande família em que a ninguém que diga tem fome não se estenda de imediato um bom prato de alimento, enquanto aqui os melhores do mundo citadinos habitam lado a lado com a miséria total e com a indiferença de quem já há muito não sabe o que é confraternização, solidariedade e humanização…. Palavra que lá é o prato do dia a dia e que faz enriquecer ainda mais aqueles magníficos recantos paradisíacos.

00:35  
Blogger Micas10 said...

Sim, ainda há pastores e rebanhos
Ver http://antoniopovinho.blogspot.com/2007/01/ainda-h-pastores.html

23:55  
Anonymous Vitor Ribeiro said...

sou um aluno do INTEP da figueira da foz e fiquei mt satisfeito com a produção deste film. Axo que tem uma boa qualidade de produção, desde já os meus parabens jorge por retratares e dares tao grand importancia a esta dificil profissao... e preciso saber que existem casos de pessoas que tem que prescindir de muita coisa para conseguirem viver... cm tu proprio disseste « eles n têm friados nem fins de semana!!» e é mesmo muito triste existirem jovens como é o caso do herminio que tem muito poucas oportunidades ou mesmo nenhumas de se sentir como um jovem normal se sente! faxinou-me também e até me comoveu o sentimento da amizade que foi expressada nas palavras que disseste a quand dissest que mantinhas uma relaçao de amizade com o herminio e com a sua familia, pois esta gente e humilde e do que gosta mesmo e de amigos, n e realmente de presentes como tambem referiste mas sim da verdadeira amizade, do verdadeiro afecto e carinho que sentem por ter um amigo, sao estas pessoas que ainda sabem dar o verdadeiro valor a amizade e ajudar sempre que os amigos precisarem, mesmo com todas as dificuldades que estes passam por toda a sua vida... mais uma vez os meus sinceros parabens e que continues a retratar muitos mais casos deste genero em Portugal... um bem aja e um abraço deste curioso e amigo... felicidades

22:54  
Anonymous João Barraca said...

boas jorge
sou um aluno da intep da figueira da foz e gostei imenso deste filme. Eu ja tinha visto algumas partes deste filme visto ke sou aluno do Professor carlos lagoa, adorei ver na aula e ainda mais gostei de ver novamente o filme. Gostei do tema, acho que foi um abre olhos para as pexoas da "vida vida esquecida" em Portugal. Como ja disse sou aluno do Professor Carlos Lagoa na disciplina de Técnicas audio visuais, e ainda mais vontade de visualizar o filme me deu devido as partes técnicas das filmagens. desde ja os meu parabens para toda a equipa mas principalmente para ti jorge. um grande abraço

23:11  
Anonymous Anónimo said...

muito bonito!

14:57  
Blogger Luís A. said...

Humano, de bom gosto e com grandes imagens. Um retrato de um Portugal moribundo cheio de momentos únicos! Muitos parabens ao autor. Nota-se que foi um labour of love.
PARABENS!

11:00  

Enviar um comentário

<< Home